sexta-feira, setembro 28, 2012

Índios não quer mais apito, quer dólares


Por milhões de dólares, índios vendem direitos sobre terras da Amazônia

Quando os portugueses chegaram ao Brasil, trouxeram apitos e espelhos para negociar com os índios. Hoje os estrangeiros estão negociando com dólares. Por US$ 120 milhões, índios da etnia Mundurucu venderam a uma empresa estrangeira, "Celestial Green Ventures", empresa irlandesa que se apresenta como líder no mercado mundial de créditos de carbono os direitos sobre uma área com 16 vezes o tamanho da cidade de São Paulo em plena floresta amazônica, no município de Jacareacanga (PA). O negócio garante à empresa “benefícios” sobre a biodiversidade, além de acesso irrestrito ao território indígena. No contrato, os índios se comprometem a não plantar ou extrair madeira das terras nos 30 anos de duração do acordo. Só a Celestial Green afirmou ao Estado ter fechado outros 16 projetos no Brasil, que somam 200 mil quilômetros quadrados. Isso é mais de duas vezes a área de Portugal ou quase o tamanho do Estado de São Paulo.O contrato dos mundurucus diz que os pagamentos em dólares dão à empresa a “totalidade” dos direitos sobre os créditos de carbono e “todos os direitos de certificados ou benefícios que se venha a obter por meio da biodiversidade dessa área”. Os mundurucu ainda não começaram a receber o dinheiro pela venda de direitos sobre seu território. Os pagamentos acordados, em 30 parcelas iguais de US$ 4 milhões, serão feitos até o último dia do ano, entre 2012 e 2041. As regras constam do contrato assinado pelo presidente da Associação Indígena Pusuru, Martinho Borum, e o diretor da Celestial Green, João Borges Andrade. As assinaturas foram reconhecidas no cartório de Jacareacanga.

Eu só a favor se os países desenvolvidos querem que não se desmatem a Amazônia que pagem por isso, mas esses contratos tem que ser muito bem redigidos. 

Um comentário:

Edson Campos E Silva disse...

Valter Azevedo, Alberta Riker, Alexinaldo Paraiba e outras 4 pessoas curtiram isso..

Walter Neubauer Eu acho que reserva indígena não pode ser vendida. Se índio quer fazer negocio que tire carteira de identidade, pague imposto de renda e pare de querer ser coitado. O que fizeram c...Veja mais
há 6 horas via celular · Curtir (desfazer) · 1..











Edson Campos E Silva É a venda de reserva de carbono. Vão receber este dinheiro em prestações durante 30 anos para não derrubarem uma árvore ou plantarem. Mas o presidente do conselho indígena é vice prefeito de Jacarecanga. Dinheiro perto de político mesmo sendo índio evapora

há 5 horas · Curtir